Tecnologia da Informação
Header

Oportunidades – GATI Tecnologia da Informação

dezembro 7th, 2013 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

talentos

 

A GATI Tecnologia da Informação está contratando novos talentos para suas equipes!

Seguem abaixo as oportunidades:

 

ANALISTA/DESENVOLVEDOR JAVA

Requisitos necessários:

- Experiência mínima de 1 ano com Java para Web

- Orientação a Objetos

- Hibernate

- Spring

- HTML/JavaScript

 

Diferenciais:

- Adobe Flex

- EJB

- JSF

- Android SDK

 

ANALISTA/DESENVOLVEDOR ANDROID

Conhecimentos necessários:

- Java / Android SDK

- SQLite

- Sincronização de dados

- Comunicação via conexão segura

- Consumo de webservices

- Desing Patterns

 

ANALISTA/DESENVOLVEDOR 4GL

Conhecimentos necessários:

- Desenvolvimento de sistemas em banco de dados Informix

- Desenvolvimento em plataforma 4GL

- Análise de sistemas

- Levantamento de requisitos

Você pode enviar seu currículo para recrutamento@gati.inf.br ou cadastrá-lo no nosso site: www.gati.inf.br

Indique pessoas, divulgue, faça parte dessa equipe!

Confira as vagas disponíveis e faça parte da nossa equipe!

dezembro 4th, 2013 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Confira as vagas disponíveis e faça parte da nossa equipe!Se você é apaixonado pelo que faz, gosta de desafios e tem habilidades que considera únicas, venha fazer parte do time da Gati Tecnologia da Informação. A empresa joinvilense está com oportunidades abertas nas áreas de desenvolvimento, consultoria e atendimento.

Com uma equipe qualificada em vários tipos de tecnologia e comprometida com o que faz, a Gati atua com as melhores práticas de gestão do mercado e, assim, alcança resultados expressivos em cada projeto. Com experiência de mais de 10 anos em Consultoria e Fábrica de Software, a Gati conta com mais de 100 profissionais e está presente em todo o território nacional.

O ambiente de trabalho tem o objetivo de atender às necessidades dos colaboradores, garantindo-lhes qualidade de vida, aprendizado e oportunidades de crescimento. Entre outros benefícios, a Gati concede aos profissionais plano de saúde, vale alimentação e transporte, seguro de vida e auxílio estudo.

Confira as vagas disponíveis:

- Desenvolvedor ASP/.NET
- Desenvolvedor ADVPL
- Programador Progress PL
- Consultor HCM SR
- Consultor de Implantação
- Analista 4GL
- Operador de Atendimento
- Desenvolvedor Java (suporte à cliente)

Para participar do processo de seleção, envie seu currículo para rh@gati.net.br, com o assunto “Oportunidade Profissional”, ou clique aqui para se cadastrar.

Por que trabalhar na Gati

A estudante de Processos Gerenciais Flavia Ronchi, de 19 anos, iniciou sua trajetória na Gati como Operadora de Suporte de Nota Fiscal. Ainda não havia completado 1 ano de trabalho quando foi surpreendida com o convite para ser responsável pelo Planejamento e Controle da Fila de Serviços. “É claro que quando comecei a trabalhar na Gati esperava contar com oportunidades para crescer na empresa, mas realmente não esperava que isso acontecesse em tão pouco tempo. É muito legal ver que minha dedicação foi reconhecida”, lembra. Ela conta que diariamente sente-se desafiada e também aprende muito. “A Gati nos oferece treinamentos, além de garantir participações em eventos que proporcionem conhecimento aos colaboradores. Sempre estamos nos reciclando, evoluindo como profissionais”, destaca. Ao ser questionada sobre indicar a empresa aos amigos, Flavia é enfática: “Com certeza indico. O ambiente de trabalho é muito legal, as equipes se relacionam muito bem e todos os projetos fluem”.

Há oito meses na Gati, o programador de sistemas Alisson Fuckner, de 21 anos, concorda com a colega Flavia, destacando a sinergia entre os profissionais como um fator que o motiva diariamente. De acordo com ele, que está concluindo o curso de Sistemas de Informação, o ambiente de trabalho é um diferencial em relação a outras empresas e há muitas oportunidades de crescimento. “É muito bom trabalhar na Gati porque todos os colaboradores têm vontade de crescer juntos, não é cada um por si”, observa, destacando a maturidade da equipe.

Durante 3 anos e meio, Jaison Carlos Scheel, de 30 anos, exerceu as funções de Analista de Sistemas, Consultor de Sistemas e Coordenador de Equipe na Gati. Foi o segundo funcionário a ingressar na empresa com a qual mantém relacionamento profissional e pessoal até hoje, mesmo não fazendo mais parte da equipe. “A Gati tem um estilo muito particular. Além de ser jovem e dinâmica, oferece muito aprendizado e chances de crescimento”, conta.

Jaison conheceu a Gati há cerca de 10 anos e, convencido dos desafios profissionais que o esperavam, não pensou duas vezes: trocou seu emprego em uma grande empresa de tecnologia por aquela que estava se formando. “Gostei muito da proposta e da conversa que tive com os responsáveis. Percebi que poderia aprender muito e crescer junto com a Gati, que na época estava iniciando as atividades no ramo de ERP (Enterprise Resource Planning)”, recorda. Para ele, que atualmente atua em uma companhia de São Bento do Sul, embora a Gati tenha crescido e se tornado muito mais expressiva, o clima agradável de trabalho, as oportunidades profissionais e a parceria entre as equipes continuam as mesmas. “Por isso, indico a empresa para todos aqueles que querem agregar conhecimento sobre tecnologia e, com isso, construir uma carreira de sucesso”, finaliza.

Um pouco mais sobre a empresa

A experiência e a estrutura da Gati a qualificam como um fornecedor de referência em soluções completas e eficazes. A empresa garante aos clientes agilidade e dinamismo para arquitetura de projetos e desenvolvimento de sistemas com tecnologias como Progress, 4GL, Java, Flex, PHP, ASP, C, C#, .NET, SuperWaba, Delphi e ABAP.

Adequada à certificação MPS.Br (Melhoria de Processo de Software Brasileiro), que oficializa as boas práticas utilizadas em sua Fábrica de Software, a Gati desenvolve projetos utilizando a experiência nos processos de negócio de empresas dos mais diversos portes e áreas de atuação, apoiados por uma estrutura física, gerencial e metodológica robusta, na qual se encontra um ambiente adequado para suportar todas as operações.

Gati está pronta para a certificação MPS.Br

dezembro 4th, 2013 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Gati está pronta para a certificação MPS.Br
No mercado brasileiro, marcado por um forte setor prestador de serviços de TI, oferecer aos clientes produtos de qualidade não é mais um diferencial, mas um requisito básico em projetos de software. Para se destacarem, as organizações precisam aliar qualidade ao melhor custo, prazo e produtividade, oferecendo o melhor desempenho aos clientes e aos colaboradores. Por saber disso, e com a certeza de que é preciso apresentar ao público também a maturidade no processo de construção de cada projeto, a Gati aperfeiçoou suas estruturas organizacionais e processos produtivos e está pronta para se tornar a primeira empresa joinvilense certificada com o modelo MPS.Br (Melhoria de Processo de Software Brasileiro), que oficializará as boas práticas utilizadas em sua fábrica de softwares.

Desde o dia 28 de março a Gati está adequada à homologação da certificação nos níveis G e F. Coordenado pela Softex (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro), o selo MPS.Br vem para atestar que as etapas de desenvolvimento de todos os projetos da empresa estão sendo executadas de forma mais sincronizada, planejada e auditada. “As equipes estão cientes de que este é o nosso caminho rumo à excelência”, destaca o diretor de Operações, Dionei Domingos.

Ele percebe que, independente da homologação, as diferenças já são sentidas por todos. “O fato de implementar um processo de desenvolvimento de software é, por si só, nossa principal realização. O desenho do processo nos direcionou, requisitando diversas ações de readequação de estrutura da Gati como fábrica de software”, explica. “Estamos certos de que a conquista desta certificação atestará ao mercado que adotamos as melhores práticas no desenvolvimento de produtos”, acrescenta o diretor Comercial, Tercilio Stedile Jr.

Empresa movida a desafios

A Gati decidiu adequar-se ao modelo MPS.Br por entender que seu processo de desenvolvimento de software teria um salto significativo de produtividade, maturidade e, consequentemente, rentabilidade. “Conquistar o selo MPS.Br representa que somos uma empresa séria e comprometida em oferecer sempre o melhor aos clientes e aos colaboradores”, conta Domingos, destacando que a certificação é um atestado da maturidade da empresa.

Iniciado em março de 2012, o processo de adequação envolveu desde entrevistas e reuniões entre as equipes até uma apresentação do que seriam as melhores práticas para a Gati. “Um workshop selou o fim das atividades, institucionalizando o conhecimento adquirido durante as atividades realizadas nos últimos 12 meses”, lembra Stedile.

Agora, a expectativa da Gati é de que a conquista da certificação MPS.Br represente um nível de execução de processos de modo excelente, com ênfase no desenvolvimento pessoal e profissional dos colaboradores. “Esperamos que esse nível de execução e a qualidade em nossas entregas nos levem a projetos de alta complexidade e de inovação, e que sejamos vistos pelo mercado e pelos novos talentos como uma empresa séria e comprometida com a qualidade”, torcem os diretores.

Saiba mais sobre o MPS.Br

O MPS.Br é um movimento para a melhoria da qualidade e um modelo de qualidade de processo. Voltado para a realidade do mercado de pequenas e médias empresas de desenvolvimento de software no Brasil, é coordenado pela Softex e conta com apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia, da Finep e do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Com sete níveis de maturidade — A (Em otimização); B (Gerenciado quantitativamente); C (Definido); D (Largamente definido); E (Parcialmente definido); F (Gerenciado); G (Parcialmente gerenciado) —, o modelo MPS.Br tem como objetivo implantar os princípios de engenharia de software de forma adequada às necessidades de negócio das empresas brasileiras, tornando-as mais organizadas e competitivas. Para isso, são avaliados aspectos como gerência e desenvolvimento de requisitos, avaliação, melhoria e desempenho do processo organizacional, análise e resolução de causas, inovação, garantia de qualidade, gestão de riscos e treinamento.

GATI: De olho no futuro

dezembro 2nd, 2013 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

GATI: De olho no futuroNo dia 28 de junho, a GATI recebeu o selo MPS.Br nível F. Coordenada pela Softex (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro), a certificação vem para atestar que as etapas de desenvolvimento de todos os projetos são executadas de forma mais sincronizada, planejada e auditada. As boas práticas utilizadas na fábrica de softwares GATI já apresentam benefícios aos colaboradores e aos clientes, mas a constante melhoria continua sendo um desafio permanente.

“Penso que a conquista do selo MPS.Br não é uma posição que queríamos alcançar, mas sim um ponto de partida para conseguirmos chegar a um nível excelente”, destaca o gerente de projetos Leonardo Lazarini. Ele lembra que foi emocionante o dia em que a equipe soube que a GATI conseguiu a certificação, mas, ao mesmo tempo, sabe que não pode parar por aí. “O processo de melhoria contínua é obrigatório. Nós precisamos disso e é o que faremos, tendo a excelência como palavra-chave do nosso trabalho”, afirma.

O diretor de Operações Dionei Domingos adianta que a empresa terá um período de 60 dias para maturar tudo o que foi desenvolvido nos últimos dez meses e juntar todas as observações dos colaboradores, de forma a garantir que os processos continuarão sendo otimizados. Um plano de ação imediata, inclusive, é oferecer workshops para os profissionais, a fim de garantir que o MPS.Br evolua na empresa. “Saímos da zona de conforto. Criamos novos padrões, novos métodos e percebemos que sempre temos algo a melhorar. E é por saber disso que continuamos nos dedicando para quem sabe, em breve, alcançar os níveis E e D do modelo MPS.Br”, conta.

Ouça o podcast e saiba mais detalhes da conquista: GATI conquista certificação MPS.Br nível F

MPS.BR: A Gati está se preparando!

dezembro 30th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Atualmente qualidade já não é mais um diferencial, e sim um requisito básico em projetos de software.

Baseado nisso, várias empresas estão buscando certificações que comprovem que utilizam as melhores práticas para desenvolver seus projetos e entregar produtos com excelência para seus clientes. Uma das mais buscadas na área de qualidade é o programa MPS.BR, utilizado para melhorar os processos de software de organizações brasileiras, afim de disseminar boas práticas da engenharia de software e tornar as organizações mais competitivas no mercado local e global.

 O modelo busca atender à necessidade de implantar os princípios de engenharia de software de forma adequada às necessidades de negócio das organizações brasileiras e define sete níveis de maturidade de processos para organizações que produzem software: A (Em Otimização), B (Gerenciado Quantitativamente), C (Definido), D (Largamente Definido), E (Parcialmente Definido), F (Gerenciado) e G (Parcialmente Gerenciado). Cada um dos níveis de maturidade (do nível G – primeiro estágio de maturidade ao nível A – mais maduro) apresenta cumulativamente um conjunto de processos e atributos de processos que indicam onde a unidade organizacional tem que investir esforço para melhoria, de forma a atender aos seus objetivos de negócio e ao modelo.

O modelo MPS.BR (Melhoria de Processo de Software Brasileiro), vem para oficializar as boas práticas que a GATI utiliza na sua fábrica de software, e certificar o quanto nossos profissionais são focados na melhoria contínua do processo de software. Estamos nos preparando para implementação de dois níveis, F e G, onde nossos colaboradores estão envolvidos no processo e tornando realidade os objetivos estratégicos que temos na organização. A implementação dos níveis G e F é um passo significativo em uma organização de desenvolvimento de software. E é esse passo significativo que estamos buscando constantemente, a cada dia de trabalho em equipe.

Estamos focados em desenho de processos, treinamentos, conscientização de boas práticas, buscando atingir a excelência em nossos processos de desenvolvimento de software. Assim atingindo maior número de clientes, satisfação interna e externa. Mantendo nosso ambiente de trabalho cada vez mais organizado e colaborativo.

“O desafio é o que nos move..”

Levantamento de Requisitos: Você sabe o que é?

dezembro 20th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Você que trabalha com desenvolvimento, se ainda não se deparou com a etapa de levantamento de requisitos, fique tranquilo, sua hora vai chegar. E ainda tem gente que não consegue entender do que se trata essa fase tão comentada e importante.

Vamos lá.

Segundo algumas definições que vimos por aí, requisito nada mais é do que uma condição ou capacidade que deve ser alcançada. Simplificando, é algo que um sistema ou componente deve possuir para satisfazer um contrato, padrão ou especificação.

Geralmente, requisitos são identificados a partir de um domínio de negócio. Domínio de negócio nada mais é do que a área específica que o software será desenvolvido, o contexto para a nossa solução. Em algumas bibliografias encontramos termos como domínio do problema ou domínio da aplicação.

Na etapa de levantamento de requisitos, o time de desenvolvimento se prende em entender o negócio que o sistema vai automatizar, esse levantamento compreende explorar as necessidades dos usuários. No caso de um sistema já existir, a dica é não se prender a estrutura antiga, e partir logo para um sistema novo. O tempo gasto até entender o sistema antigo pode ser muito valioso depois no projeto.

De tudo isso, teremos como resultado um documento com os requisitos, onde contém os requisitos que o sistema irá comtemplar. Dentro desse documento, devemos abordar:

Requisitos Funcionais

Os requisitos funcionais abordam O QUE o sistema deve fazer.

Exemplos:

  1. O sistema deve permitir que cada professor realize o lançamento de notas das turmas nas quais lecionou.
  2. O sistema deve permitir que o aluno realize a sua matrícula nas disciplinas oferecidas em um semestre.

Requisitos Não-Funcionais

Esses requisitos declaram características de qualidade que o sistema deve possuir e que estão relacionadas às suas funcionalidades. Temos algumas divisões dentro desse tipo de requisitos.

                Confiabilidade

Nada mais do que medidas quantitativas da confiabilidade do sistema, como por exemplo, o tempo médio entre falhas, recuperação de falhas, erros por milhares de linhas de código.

                Portabilidade

Aqui tratamos da facilidade de migrar o sistema para outras plataformas. Que devemos dar uma atenção, para que o sistema rode em qualquer lugar.

                Segurança

Aqui são descritas as particularidades sobre acessos ao sistema, segurança extra em login, restringir acesso de algumas pessoas, entre outros.

                Usabilidade

Aqui são descritos os requisitos que se relacionam ou afetam a usabilidade do sistema. Coisas relacionadas à facilidade de uso, sobre a necessidade de treinamentos para os usuários.

Quando o assunto é requisitos, é nosso dever responder de maneira clara a questão: “O que o usuário necessita do sistema?” Os requisitos definem o problema a ser resolvido pelo sistema que será desenvolvido.

Compreender as necessidades do cliente se torna essencial no desenvolvimento de soluções, muitos sistemas foram abandonados ou nem chegaram a ser usados porque os membros da equipe não deram atenção para essa etapa de levantamento de requisitos para entender o negócio
do cliente.

O documento gerado com os requisitos se torna praticamente um termo, onde aparece um consenso entre a equipe de desenvolvimento e o cliente. É esse documento que vai nortear as próximas atividades e se torna um ponto de referência para validações.

Envolver o cliente desde o início do processo de desenvolvimento nos dá uma garantia maior de que o produto que será desenvolvido atenda às necessidades identificadas.  E claro, os requisitos MUDAM durante o projeto, o que o documento de levantamento de requisitos nos dá é um parâmetro para medirmos o tempo gasto e recursos necessários para implementar as mudanças solicitadas no decorrer do desenvolvimento.

Se você não se importa com levantar as necessidades do seu cliente, ou em entender o negócio dele, provavelmente vai encontrar obstáculos no caminho do desenvolvimento do seu produto, ou não vai atender totalmente as necessidades de quem está contratando seus serviços.

ExpoGestão 2012: A GATI esteve lá!

dezembro 20th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Na semana de 11 a 15 de Junho, aconteceu em Joinville/SC a ExpoGestão 2012, que reune as principais empresas e interessados em ver na prática o que acontece no mundo da Gestão de negócios.

“O pensamento e a prática da Gestão, reunidos em um dos maiores e mais renomados encontros empresariais do Brasil. No mundo moderno, gestão é o diferencial entre conquistar o sucesso ou não. Lideranças e especialistas renomados e respeitados, compartilham suas experiências para evoluir, inovar e construir novos referenciais.”

E é claro que a GATI Tecnologia da Informação estava na feira, nosso stand contando com nossos diretores, setor comercial e as lideranças envolvidas em apresentar nossas soluções em tecnologia e gestão para automatizar processos, melhorar resultados e atingir a excelência.

Abaixo seguem fotos dos dias que passamos por lá:

 

Ética profissional: Atitude que compromete.

dezembro 13th, 2012 | Posted by Graziele Gretter in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

          Com um mercado de demandas cada vez mais exigentes é comum vermos a falta de ética de muitos profissionais, não só na área de TI, mas nas demais áreas. Essa ética não abrange somente a forma de se vestir, como a maioria normalmente acha, mas principalmente como as pessoas se tratam direta ou indiretamente umas as outras dentro do ambiente corporativo, aquelas conversinhas, a bajulação, não assumir suas responsabilidades repassando-as a outros, e até mesmo passar por “cima” dos outros colegas para atingir o seu objetivo.

Bom, mas o que é realmente a ética, em que ela se baseia, no senso comum?

A ética nada mais é que um conjunto de regras e preceitos morais de um indivíduo perante a sociedade.

Cada vez mais as corporações estão preocupadas com essa ética dentro do seu ambiente, mesmo não havendo regras pré-estabelecidas de conduta, cabe a cada gestor saber geri-la de alguma forma, nesse caso a melhor forma de se resolver isso seria aplicar o senso comum para poder verificar o que é aceitável ou não.

Como não há regras estabelecidas de como sermos éticos, abaixo cito alguns tópicos do que podemos aplicar, para que tenhamos uma melhor postura ética no ambiente corporativo.

- Seja honesto em qualquer situação.

- Nunca faça algo que você não possa assumir em público. 

- Seja humilde, tolerante e flexível. Muitas ideias aparentemente absurdas podem ser a solução para um problema. Para descobrir isso, é preciso trabalhar em equipe, ouvindo as pessoas e avaliando a situação sem julgamentos precipitados ou baseados em suposições.

- Ser ético significa, muitas vezes, perder dinheiro, status e benefícios.

- Dê crédito a quem merece. Nem sonhe em aceitar elogios pelo trabalho de outra pessoa. Cedo ou tarde, será reconhecido o autor da ideia e você ficará com fama de mau-caráter.

- Pontualidade vale ouro. Se você sempre se atrasar, será considerado indigno de confiança e pode perder boas oportunidades de negócio.

- Evite criticar os colegas de trabalho ou culpar um subordinado pelas costas. Se tiver de corrigir ou repreender alguém, faça-o em particular, cara a cara.

- Respeite a privacidade do vizinho. Mexer na mesa, nos pertences e documentos de trabalho dos colegas e do chefe não é nada legal.

- Ofereça apoio aos colegas. Se souber que alguém está passando por dificuldades, espere que ele mencione o assunto e ouça-o com atenção.

- Faça o que disse e prometeu. Quebrar promessas é imperdoável.

- Aja de acordo com seus princípios e assuma suas decisões, mesmo que isso implique ficar contra a maioria.

- O que fazer com os brindes e presentes? Muitas empresas têm normas próprias e estipulam um limite de valor para os brindes. Informe-se discretamente sobre isso e aja conforme a regra.

- A relação de trabalho é mediada pela hierarquia. O subordinado amigo deve ao chefe a mesma deferência que os demais – e o chefe amigo precisa ser extremamente cuidadoso para não beneficiar o subordinado que lhe é próximo.

- Caso trabalhe com alguém de quem não gosta, troque cumprimentos, mantenha distância e não comente a antipatia que sente. Isso minimiza os atritos e evita que os outros reparem a incompatibilidade e façam fofocas.

- Afaste-se das fofocas e maledicências. Só o fato de prestar atenção nelas pode lhe dar a fama de fofoqueiro. E aquele que lhe conta a última, pode levar, também, um comentário péssimo sobre você.

- Reconheça os erros, mas não exagere no arrependimento nem na culpa. A fala correta é: “não foi um erro intencional, isso não vai ocorrer de novo e vou remediar o acontecido”.

          As boas práticas éticas evitam que pequenas atitudes comprometam-nos profissionalmente.

Esse texto foi enviado pela nossa colaboradora do Grupo GATI Graziele Gretter.

Trabalho em equipe: Quais erros você comete?

dezembro 12th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Já parou pra pensar o quanto precisamos dos outros para desenvolver determinadas tarefas? Já parou para analisar o quanto o trabalho em equipe está cada vez mais badalado?

Ter a capacidade de manter um bom trabalho em equipe é uma habilidade muito valorizada! E com certeza é um grande diferencial na hora de escolher um candidato para uma vaga de emprego dentro de uma organização. Quem vai querer alguém sem essa característica dentro da equipe?

Nas empresas que conheço um dos pré-requisitos fundamentais para conseguir aquela vaga de emprego é ter capacidade de trabalhar em conjunto e atingir objetivos com a equipe.

Justamente por isso, separamos alguns dos principais erros que geralmente acontecem nos ambientes de trabalho, onde equipes são prejudicadas por comportamento de colaboradores.

Vamos a nossa lista de possíveis erros detectados em algumas equipes:

- Ficar irritado com os colaboradores

Equipe sem atrito definitivamente não é uma equipe de verdade! Imagina várias personalidades e habilidades diferentes em um mesmo ambiente.. Com certeza atritos vão ocorrer, mas é nessa hora que devemos colocar em prática a empatia para evitar que o problema se torne maior ainda. Cada colaborador tem um ritmo e um rendimento. Alguns vão aprender mais rápido do que os outros..
Manter um ponto de equilíbrio entre ser educado e o emocional é importante demais nesses momentos de tensão.

- Recusar trabalho em equipe

Vai querer abraçar o mundo sozinho? Temos exemplos de sobra que grandes e bons resultados não nascem de ações individuais e isoladas. Resistir ao trabalho em equipe pode causar grandes danos para sua carreira, afinal, conseguir lidar com pessoas totalmente diferentes é um desafio enorme, e quem consegue fazer isso tem pontos a somar no currículo! Na organização, e dentro da equipe um depende do outro.. Se você
não quiser colaborar com o seu colega do lado, teremos um enorme gargalo nas ações realizadas. Se você ainda não consegue, chegou a hora de dar essa abertura, e começar a praticar.

- Não respeitar as diferenças

Equipes são compostas de pessoas totalmente diferentes, com habilidades diferentes. E ainda existem pessoas que simplesmente não respeitam a opinião e a postura do colega de trabalho. E aí? Como fica? As diferenças é que dão o balanço e a sinergia na equipe. Onde um complementa o outro. O que um não sabe, o outro pode ajudar. Respeitar essa diversidade é essencial no ambiente de trabalho. Aceitando a diversidade, as
possibilidades de atuação são ampliadas, sem invadir o espaço do outro. Vai ficar de cara fechada pelo seu colega discordar de você? Sem essa!

 - Resolver depois

Aqui é fator crítico, em todo ambiente que vejo onde conflitos são deixados pendentes a situação fica pior do que já está. Quando conflitos são acumulados, a proporção dos mesmos aumenta..
Podem ser dúvidas, algum desconforto, decisões adiadas, entre outros. Se o colaborador não tentar resolver o assunto, isso pode gerar fofoca com os outros colegas da equipe, antipatia, e sem falar no péssimo clima dentro do ambiente de trabalho.

Os deslizes que acontecem no nosso dia-a-dia de empresas são muitos, onde não conseguimos numerar tudo, onde as diversidades são gritantes, onde os desafios e obstáculos aparecem a todo o momento. Aqui vale gerar uma boa estratégia para a sinergia acontecer entre a equipe, onde o foco são resultados e manter a criatividade entre os envolvidos.

Chefes, gerentes, desenvolvedores, auxiliares, não importa o seu cargo, você comete erros, você precisa aprender mais. E no mercado competitivo que vivemos aprender algo novo sempre. Somos cobrados e cada vez mais, devemos mostrar pra que viemos.

E você? O que acha importante evitar ao trabalhar em equipe?

Plano de Ação 5W2H – Você conhece?

dezembro 12th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Hoje em dia é muito comum utilizarmos metodologias ou técnicas para gerenciamento das ações em empresas e na vida pessoal.

Você já ouviu falar sobre o 5W2H?

5W2H é basicamente um formulário para execução e controle de tarefas onde são atribuídas as responsabilidades e determinado como o trabalho deverá ser realizado, assim como o departamento, motivo e prazo para conclusão com os custos envolvidos.

1- What (o que será feito);

2- Who (quem fará);

3- When (quando será feito);

4- Where (onde será feito);

5- Why (por que será feito);

1-How (como será feito);

2-How Much (quando custará);

 

COMO E PORQUE FAZER UM PLANO DE AÇÃO

O plano de ação é acima de tudo um conceito. Há ocasiões que um plano de ação muito simples é viável, porém em outros casos é necessária a criação de um documento para fins de arquivamento, reflexão e principalmente comunicação eficiente e visual com outras pessoas envolvidas.

O plano de ação começa com o planejamento estratégico para a solução de determinado problema ou meta que se deseja alcançar. O planejamento estratégico inicia-se com o levantamento de dados que você pode fazer sozinho com a ajuda de fluxogramas ou em reuniões.

Com as ideias, dados e o objetivo em mãos basta desenvolver uma planilha com os 5W e 2H para preenchimento e impressão.