Tecnologia da Informação
Header

Quatro métodos para simplificar e alavancar os negócios

dezembro 6th, 2015 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Sap Business One

Quatro métodos para simplificar e alavancar os negócios

Na qualidade de empresário, você provavelmente procura o meio mais efetivo para alavancar seus negócios e estabelecer uma empresa lucrativa. Contudo, talvez não seja das tarefas mais fáceis concentrar esforços no crescimento quando o tempo de trabalho se perde na solução de detalhes. E, se a sua empresa não estiver operando de maneira eficiente e econômica, a dificuldade será ainda maior. As dicas apresentadas aqui podem ajudá-lo a simplificar a administração do seu negócio, permitindo o direcionamento dos esforços para as áreas com potencial de crescimento…

 

1)      Armazene todos os seus dados num único local

Quando você adota aplicativos que integram todos os sistemas, consegue ter insights abrangentes e instantâneos dos negócios. Desse modo, você não precisa procurar informações em diversos registros, planilhas e bancos de dados, para encontrar os dados necessários. Em vez disso, terá instantaneamente todo o material disponível para tomar decisões mais rápidas e acertadas.

 

2)      Economize tempo e dinheiro com automação

O registro manual de dados nos sistemas pode resultar em perda de tempo precioso, além de impedir que suas equipes realizem outras atividades essenciais ou trabalhem no sentido de ajudá-lo a atingir objetivos mais ambiciosos. Se você automatizar as principais funções de negócios, todos terão mais tempo para se dedicar ao desenvolvimento de projetos capazes de impulsionar o crescimento da empresa.

 

3)      Reduza as falhas simples e os erros humanos

Dados inconsistentes resultam em alto custo. O Global Research Report 2014 da Experian, destacou que 59% das inconsistências encontradas nos dados são causadas por erros humanos. E mais, o custo de reparação de cada um pode ficar entre $1 e $100, dependendo do tempo decorrido até a identificação. Reduza o potencial de erros, simplificando as operações e diminuindo o número de entradas físicas necessárias.

 

Os estudos também revelam que até um terço das violações de dados decorrem de erros humanos. Assim sendo, a redução das entradas manuais além de melhorar a operação dos sistemas, trará maior segurança.

 

4)      Certifique-se de estar operando com os dados precisos

Aumente a precisão dos dados, removendo toda e qualquer informação desatualizada, bem como números incorretos ou registros errôneos de detalhes de clientes. A pesquisa revela que ‘dados imprecisos’ afetam os resultados financeiros de 88% das empresas em todo o mundo. Na média, as empresas estão perdendo 12% das receitas em gastos excessivos com marketing, recursos e tempo das equipes – tudo isso devido à imprecisão dos dados.

 

Ao eliminar inconsistências de dados e integrá-los a um único sistema, você impede entradas duplicadas ou imprecisas, além de identificar erros e garantir a existência de uma versão única da verdade. Desse modo, você pode confiar nos dados, reduzir o excesso de recursos utilizados e se dedicar ao crescimento.

 

Na condição de empresa de pequeno ou médio porte, para adotar nossas dicas, você precisa garantir que o investimento em novos softwares não estoure seu caixa. O SAP Business One é um aplicativo único, escalável e financeiramente viável, que pode ajudá-lo a administrar toda a empresa e alavancar o crescimento.

 

Com apenas um aplicativo de TI ajudando a simplificar a operação dos negócios, você observará aumento de eficiência e produtividade. E mais, com os dados armazenados em um único local, você pode confiar na precisão e atualização das informações – para agilizar e fundamentar melhor suas decisões. Além disso, economizará tempo e recursos que de outra forma seriam gastos na gestão dos dados. Então, com a empresa mais bem administrada, o tempo e os esforços poderão ser concentrados em áreas que contribuem para o crescimento.

Fale com a Gati:

www.gati.net.br | (47) 3145 – 4400

Fontes:

http://www.symantec.com/about/news/release/article.jsp?prid=20130605_01

https://econsultancy.com/blog/64612-the-cost-of-bad-data-stats

http://blogs.informatica.com/perspectives/2014/04/16/do-you-know-how-much-bad-data-is-costing-your-business/

http://lemonly.com/work/the-cost-of-bad-data

 

 

 

MPS.BR: A Gati está se preparando!

dezembro 30th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Atualmente qualidade já não é mais um diferencial, e sim um requisito básico em projetos de software.

Baseado nisso, várias empresas estão buscando certificações que comprovem que utilizam as melhores práticas para desenvolver seus projetos e entregar produtos com excelência para seus clientes. Uma das mais buscadas na área de qualidade é o programa MPS.BR, utilizado para melhorar os processos de software de organizações brasileiras, afim de disseminar boas práticas da engenharia de software e tornar as organizações mais competitivas no mercado local e global.

 O modelo busca atender à necessidade de implantar os princípios de engenharia de software de forma adequada às necessidades de negócio das organizações brasileiras e define sete níveis de maturidade de processos para organizações que produzem software: A (Em Otimização), B (Gerenciado Quantitativamente), C (Definido), D (Largamente Definido), E (Parcialmente Definido), F (Gerenciado) e G (Parcialmente Gerenciado). Cada um dos níveis de maturidade (do nível G – primeiro estágio de maturidade ao nível A – mais maduro) apresenta cumulativamente um conjunto de processos e atributos de processos que indicam onde a unidade organizacional tem que investir esforço para melhoria, de forma a atender aos seus objetivos de negócio e ao modelo.

O modelo MPS.BR (Melhoria de Processo de Software Brasileiro), vem para oficializar as boas práticas que a GATI utiliza na sua fábrica de software, e certificar o quanto nossos profissionais são focados na melhoria contínua do processo de software. Estamos nos preparando para implementação de dois níveis, F e G, onde nossos colaboradores estão envolvidos no processo e tornando realidade os objetivos estratégicos que temos na organização. A implementação dos níveis G e F é um passo significativo em uma organização de desenvolvimento de software. E é esse passo significativo que estamos buscando constantemente, a cada dia de trabalho em equipe.

Estamos focados em desenho de processos, treinamentos, conscientização de boas práticas, buscando atingir a excelência em nossos processos de desenvolvimento de software. Assim atingindo maior número de clientes, satisfação interna e externa. Mantendo nosso ambiente de trabalho cada vez mais organizado e colaborativo.

“O desafio é o que nos move..”

Levantamento de Requisitos: Você sabe o que é?

dezembro 20th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Você que trabalha com desenvolvimento, se ainda não se deparou com a etapa de levantamento de requisitos, fique tranquilo, sua hora vai chegar. E ainda tem gente que não consegue entender do que se trata essa fase tão comentada e importante.

Vamos lá.

Segundo algumas definições que vimos por aí, requisito nada mais é do que uma condição ou capacidade que deve ser alcançada. Simplificando, é algo que um sistema ou componente deve possuir para satisfazer um contrato, padrão ou especificação.

Geralmente, requisitos são identificados a partir de um domínio de negócio. Domínio de negócio nada mais é do que a área específica que o software será desenvolvido, o contexto para a nossa solução. Em algumas bibliografias encontramos termos como domínio do problema ou domínio da aplicação.

Na etapa de levantamento de requisitos, o time de desenvolvimento se prende em entender o negócio que o sistema vai automatizar, esse levantamento compreende explorar as necessidades dos usuários. No caso de um sistema já existir, a dica é não se prender a estrutura antiga, e partir logo para um sistema novo. O tempo gasto até entender o sistema antigo pode ser muito valioso depois no projeto.

De tudo isso, teremos como resultado um documento com os requisitos, onde contém os requisitos que o sistema irá comtemplar. Dentro desse documento, devemos abordar:

Requisitos Funcionais

Os requisitos funcionais abordam O QUE o sistema deve fazer.

Exemplos:

  1. O sistema deve permitir que cada professor realize o lançamento de notas das turmas nas quais lecionou.
  2. O sistema deve permitir que o aluno realize a sua matrícula nas disciplinas oferecidas em um semestre.

Requisitos Não-Funcionais

Esses requisitos declaram características de qualidade que o sistema deve possuir e que estão relacionadas às suas funcionalidades. Temos algumas divisões dentro desse tipo de requisitos.

                Confiabilidade

Nada mais do que medidas quantitativas da confiabilidade do sistema, como por exemplo, o tempo médio entre falhas, recuperação de falhas, erros por milhares de linhas de código.

                Portabilidade

Aqui tratamos da facilidade de migrar o sistema para outras plataformas. Que devemos dar uma atenção, para que o sistema rode em qualquer lugar.

                Segurança

Aqui são descritas as particularidades sobre acessos ao sistema, segurança extra em login, restringir acesso de algumas pessoas, entre outros.

                Usabilidade

Aqui são descritos os requisitos que se relacionam ou afetam a usabilidade do sistema. Coisas relacionadas à facilidade de uso, sobre a necessidade de treinamentos para os usuários.

Quando o assunto é requisitos, é nosso dever responder de maneira clara a questão: “O que o usuário necessita do sistema?” Os requisitos definem o problema a ser resolvido pelo sistema que será desenvolvido.

Compreender as necessidades do cliente se torna essencial no desenvolvimento de soluções, muitos sistemas foram abandonados ou nem chegaram a ser usados porque os membros da equipe não deram atenção para essa etapa de levantamento de requisitos para entender o negócio
do cliente.

O documento gerado com os requisitos se torna praticamente um termo, onde aparece um consenso entre a equipe de desenvolvimento e o cliente. É esse documento que vai nortear as próximas atividades e se torna um ponto de referência para validações.

Envolver o cliente desde o início do processo de desenvolvimento nos dá uma garantia maior de que o produto que será desenvolvido atenda às necessidades identificadas.  E claro, os requisitos MUDAM durante o projeto, o que o documento de levantamento de requisitos nos dá é um parâmetro para medirmos o tempo gasto e recursos necessários para implementar as mudanças solicitadas no decorrer do desenvolvimento.

Se você não se importa com levantar as necessidades do seu cliente, ou em entender o negócio dele, provavelmente vai encontrar obstáculos no caminho do desenvolvimento do seu produto, ou não vai atender totalmente as necessidades de quem está contratando seus serviços.

Trabalho em equipe: Quais erros você comete?

dezembro 12th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Já parou pra pensar o quanto precisamos dos outros para desenvolver determinadas tarefas? Já parou para analisar o quanto o trabalho em equipe está cada vez mais badalado?

Ter a capacidade de manter um bom trabalho em equipe é uma habilidade muito valorizada! E com certeza é um grande diferencial na hora de escolher um candidato para uma vaga de emprego dentro de uma organização. Quem vai querer alguém sem essa característica dentro da equipe?

Nas empresas que conheço um dos pré-requisitos fundamentais para conseguir aquela vaga de emprego é ter capacidade de trabalhar em conjunto e atingir objetivos com a equipe.

Justamente por isso, separamos alguns dos principais erros que geralmente acontecem nos ambientes de trabalho, onde equipes são prejudicadas por comportamento de colaboradores.

Vamos a nossa lista de possíveis erros detectados em algumas equipes:

- Ficar irritado com os colaboradores

Equipe sem atrito definitivamente não é uma equipe de verdade! Imagina várias personalidades e habilidades diferentes em um mesmo ambiente.. Com certeza atritos vão ocorrer, mas é nessa hora que devemos colocar em prática a empatia para evitar que o problema se torne maior ainda. Cada colaborador tem um ritmo e um rendimento. Alguns vão aprender mais rápido do que os outros..
Manter um ponto de equilíbrio entre ser educado e o emocional é importante demais nesses momentos de tensão.

- Recusar trabalho em equipe

Vai querer abraçar o mundo sozinho? Temos exemplos de sobra que grandes e bons resultados não nascem de ações individuais e isoladas. Resistir ao trabalho em equipe pode causar grandes danos para sua carreira, afinal, conseguir lidar com pessoas totalmente diferentes é um desafio enorme, e quem consegue fazer isso tem pontos a somar no currículo! Na organização, e dentro da equipe um depende do outro.. Se você
não quiser colaborar com o seu colega do lado, teremos um enorme gargalo nas ações realizadas. Se você ainda não consegue, chegou a hora de dar essa abertura, e começar a praticar.

- Não respeitar as diferenças

Equipes são compostas de pessoas totalmente diferentes, com habilidades diferentes. E ainda existem pessoas que simplesmente não respeitam a opinião e a postura do colega de trabalho. E aí? Como fica? As diferenças é que dão o balanço e a sinergia na equipe. Onde um complementa o outro. O que um não sabe, o outro pode ajudar. Respeitar essa diversidade é essencial no ambiente de trabalho. Aceitando a diversidade, as
possibilidades de atuação são ampliadas, sem invadir o espaço do outro. Vai ficar de cara fechada pelo seu colega discordar de você? Sem essa!

 - Resolver depois

Aqui é fator crítico, em todo ambiente que vejo onde conflitos são deixados pendentes a situação fica pior do que já está. Quando conflitos são acumulados, a proporção dos mesmos aumenta..
Podem ser dúvidas, algum desconforto, decisões adiadas, entre outros. Se o colaborador não tentar resolver o assunto, isso pode gerar fofoca com os outros colegas da equipe, antipatia, e sem falar no péssimo clima dentro do ambiente de trabalho.

Os deslizes que acontecem no nosso dia-a-dia de empresas são muitos, onde não conseguimos numerar tudo, onde as diversidades são gritantes, onde os desafios e obstáculos aparecem a todo o momento. Aqui vale gerar uma boa estratégia para a sinergia acontecer entre a equipe, onde o foco são resultados e manter a criatividade entre os envolvidos.

Chefes, gerentes, desenvolvedores, auxiliares, não importa o seu cargo, você comete erros, você precisa aprender mais. E no mercado competitivo que vivemos aprender algo novo sempre. Somos cobrados e cada vez mais, devemos mostrar pra que viemos.

E você? O que acha importante evitar ao trabalhar em equipe?

Plano de Ação 5W2H – Você conhece?

dezembro 12th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

Hoje em dia é muito comum utilizarmos metodologias ou técnicas para gerenciamento das ações em empresas e na vida pessoal.

Você já ouviu falar sobre o 5W2H?

5W2H é basicamente um formulário para execução e controle de tarefas onde são atribuídas as responsabilidades e determinado como o trabalho deverá ser realizado, assim como o departamento, motivo e prazo para conclusão com os custos envolvidos.

1- What (o que será feito);

2- Who (quem fará);

3- When (quando será feito);

4- Where (onde será feito);

5- Why (por que será feito);

1-How (como será feito);

2-How Much (quando custará);

 

COMO E PORQUE FAZER UM PLANO DE AÇÃO

O plano de ação é acima de tudo um conceito. Há ocasiões que um plano de ação muito simples é viável, porém em outros casos é necessária a criação de um documento para fins de arquivamento, reflexão e principalmente comunicação eficiente e visual com outras pessoas envolvidas.

O plano de ação começa com o planejamento estratégico para a solução de determinado problema ou meta que se deseja alcançar. O planejamento estratégico inicia-se com o levantamento de dados que você pode fazer sozinho com a ajuda de fluxogramas ou em reuniões.

Com as ideias, dados e o objetivo em mãos basta desenvolver uma planilha com os 5W e 2H para preenchimento e impressão.

Você já ouviu falar de desenvolvimento de software utilizando Body Shop?

Para entrar de vez nesse assunto, nosso colaborador Daniel Schreiber produziu um conteúdo (aprovado no SBQS 2011) sobre como diminuir riscos utilizando o tão falado body shop, usando como referencias a própria GATI, que atua há muitos anos também nesta modalidade de serviços. O Artigo teve a participação de nosso diretor de operações Sr. Dionei Domingos.

Clientes e fornecedores trabalham em parceria para atender as necessidades do mercado, se comprometendo com a qualidade do produto final. No contexto de TI, a realização de body shop se tornou uma prática comum, devido à alta celeridade das mudanças do ambiente. Contudo, a realização de terceirização apresenta riscos que precisam ser reduzidos ou mesmo evitados. Este artigo relata as atividades desenvolvidas e lições aprendidas na realização de body shop em desenvolvimento de software, propondo um conjunto de ações preventivas para melhorar a qualidade e diminuir os riscos na terceirização.

Para acessar o conteúdo completo, acesse o link: http://slidesha.re/HH1SFx

 

Como atingir metas em projetos?

dezembro 6th, 2012 | Posted by admin in Gestão de Pessoas - (Comentários desativados)

No geral, projetos envolvem ações críticas, e o gerenciamento dos mesmos se torna um tanto quanto complicado e gera algumas dores de cabeça. No ambiente de gerenciamento de projetos podem ser utilizadas algumas dicas para facilitar o atingimento das metas definidas lá no início quando o projeto é planejado.

Envolvimento da alta direção: A alta direção precisa assumir o papel de patrocinadora dos projetos. Na hora de executar um projeto, o comprometimento dos diretores em apoiar faz toda a diferença. Sem esse apoio dificilmente as metas definidas são atingidas pela equipe envolvida.

Maturidade na escolha das ferramentas de gestão: Como existem vários profissionais com conhecimento teórico na disciplina gestão de projetos, se torna um diferencial aquele que tem a capacidade de avaliar e identificar as ferramentas que podem atender sua necessidade em projetos específicos. Saber escolher qual ferramenta utilizar e não utilizar várias ferramentas com o mesmo objetivo faz muita diferença na execução.

Escopo bem definido: O escopo é a necessidade que gerou o projeto, se for definido adequadamente é possível determinar com mais precisão o investimento e tempo necessários.

Controle eficiente nas mudanças: Mudanças são sempre bem vindas! O problema é não ter registro e aprovação dessas mudanças. Não adianta nada engessar um projeto para evitar mudanças do cliente e dor de cabeça, se você elaborar um plano de aprovação e documentação das mudanças elas estarão bem gerenciadas e poderão não causar tanta dor de cabeça assim.

Aprendizagem organizacional: Erros sempre vão acontecer na gestão em uma organização, a aprendizagem organizacional é muito mais efetiva quando as equipes são estimuladas a comunicar os erros que acontecem. Dessa forma o aprendizado é incorporado na rotina de trabalho, e as lições aprendidas servem como base para os próximos projetos onde os erros são menores. E conforme a maturidade das pessoas os erros podem ser evitados.

Esses são apenas alguns pontos apontados por especialistas e até mesmo iniciantes na área de gestão de projetos que percebem que ambiente colaborativo e um bom uso de ferramentas tornam ambientes críticos e projetos complicados mais fácies e prazerosos de executar!

E você o que acha importante para atingirmos as metas nos projetos?

Iniciamos o mês de Abril com tudo aqui na GATI, preparamos nosso time para Gestão de Projetos com SCRUM.

Foram três noites de muito estudo e trabalho focado em métodos ágeis, na Católica SC.

Focamos em práticas utilizadas no Scrum, na formação do Kanban, na distribuição de tarefas, trabalho do time, sprints, planejamento e medição de produtividade do time. Além de muita troca de experiência entre os participantes e exemplos diários de como utilizar.

Não podemos deixar de citar o Manifesto Ágil que deu início a toda movimentação que temos hoje em dia.

Passamos a valorizar:

  • Indivíduos e interação entre eles mais que processos e ferramentas
  • Software em funcionamento mais que documentação abrangente
  • Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos
  • Responder a mudanças mais que seguir um plano

Trabalho baseado na TRANSPARÊNCIA e na GESTÃO A VISTA é a nossa meta!

Nosso time está focado em resultados e os desafios que vierem serão muito bem vindos na nossa fábrica de software.

O DESAFIO É O QUE NOS MOVE.

Abaixo seguem fotos do treinamento que realizamos nessa semana: